Ser Treinador

Ser treinador, como prática profissional, ainda nos dias de hoje constitui um problema. A falta de estruturação, escassez de cursos, regulamentação profissional, diretrizes que limitem a formação, a carreira, as competências e as responsabilidades do treinador.
Segundo Mesadié (1989), o termo francês “desport” significa divertir-se, porém esta conotação de divertimento há muito se afasta e continua se afastando da realidade que vive o desporto atual.
A atividade do treinador de alto rendimento, ao contrário do que se passava em outros tempos, perdeu o caráter voluntário, realizada nos tempos livres. Esta profissão exige trabalho em tempo quase que integral, as exigências aumentam exorbitantemente e os resultados são cobrados em regime de eterna vigilância. A profissão de treinador converteu-se em uma profissão de alto risco, numa sociedade onde “todos são treinadores”, “todos são entendedores dos desportos”, os treinadores são frequentemente alvo de críticas, principalmente quando o êxito não é alcançado. A figura pública que o treinador hoje se tornou, faz com que a todo o tempo ele seja contestado, criticado, em suas falas, atitudes ou ambos.
O treinador contemporâneo deve possuir uma série de atribuições e competências que incluem, a de gestão de pessoas, gestão de grupos, além de saberes como a psicologia, administração, economia e conteúdo científico da área, ou seja, um treinador deve ser um norteador de homens nos diversos âmbitos psicossociais. Sem nenhuma ou com o mínimo de qualificação, o treinador só consegue esta vasta lista de competências necessárias para compor um treinador completo através do tirocínio.
A conduta de muitos treinadores contribui de forma gritante para situação vivida pelos os mesmos. A profissão de treinador é árdua com qualquer outra, mas, sem nenhum tipo de regulamentação as pessoas usam isto ao seu bel prazer.
Naturalmente o treinador é quem tem o comando dos atletas e das atitudes tomada pelos mesmos durante o treinamento, é o treinador quem converte a ciência em exercícios nas sessões de treinamento. Porém, com o insucesso do atleta, o treinador aparece como o primeiro responsável, o culpado. Por ser um elo fraco geralmente é demitido e, substituído por outro, que, muito provavelmente também foi demitido de uma outra instituição. Quando o contrário acontece o sucesso é atribuído ao talento do atleta, e, é esquecido que sem a figura do treinador o “suposto talento, poderia ficar no anonimato”.
Os treinadores deveriam passar por uma preparação multi-disciplinar onde, estes deveriam tomar conhecimento do que, como, e quando fazer, deveriam tomar conhecimento das suas responsabilidades e assim saberem do que são responsáveis e por quê.
O treinador não tem de ser necessariamente um atleta experimentado, onde se formou um treinador através de um corpo que já não agüenta a rotina de fortes treinamentos.
A responsabilidade do treinador não deveria apenas ser norteada pelo sucesso, como também, pelos importantes valores pedagógicos e morais, sem falar no constante processo educativo que, através dos saberes formam homens, atletas e homens depois de uma vida atlética de sucesso.

2 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. É você o autor deste texto?
    Curioso como você sabe fazer uma bela "embalagem de presente"! Se é que me entende, o trocadilho.
    O blog é uma ferramenta importante, sobretudo no quis respeito ao trabalho. Caso aceite uma dica, aproveite este espaço para divulgar a sua filosofia de vida e verdade. Estou falando de EDUCAÇÃO FÍSICA sim! Mesmo que não comentem, existem leitores dispostos a saber mais sobre saúde. E principalmente, gente que não está ligada em atividades ou exercícios corporais, mas quer saber dos benefícios ao cérebro. Nós sabemos que você conhece e entende bem o assunto, então apareça, porque quem é visto é lembrado!

    ResponderExcluir