Treinamento Anti-Funcional






Você faz o treinamento da moda? Pois é ,o tal do Treinamento Funcional (TF)? Você sabe o que é? Bom, segundo o renomado dicionário Aurélio (2003) o termo "funcional" significa: "Em cuja execução ou fabricação se procura atender, antes de tudo, à função, ao fim prático". Palavras-chave? "Ao fim prático".

Segundo Martin (1977)  treinamento é um processo que favorece alterações positivas de um estado físico, motor, cognitivo, afetivo. Seguindo esta linha de raciocínio, se juntar-mos os conceitos ficaria mais ou menos assim: "TF é um processo que favorece alterações positivas de um estado físico, motor, cognitivo, afetivo que, se procura atender, antes de tudo, à função."

Para um corredor, um programa exercícios que possa aperfeiçoar a sua corrida, (seja ele um programa de musculação ou de resistência) é funcional. Para um fisiculturista, um programa com características hipetróficas, é funcional. Afinal os dois casos atendem a função. Diante disso posso concluir que todo programa de treinamento é funcional? Sim, ou pelo menos deveriam ser.

O problema é que quando o TF chegou à Salvador não se definiu o que era isto de fato e, criou-se uma cultura de que só é funcional o treinamento onde se faz uso de cordas de navio, rodas de trator, elásticos,  escada de circuito e/ou bola Suíça. E agora parece que os profissionais que não trabalham CONSTANTEMENTE com estes artefatos nada sabem.

Na minha opinião, o TF se mostrou uma saída fácil para profissionais de competência duvidosa. Transitar num mundo onde todas as atrocidades são permitidas, num mundo sem Biomecânica, Cinesiologia, Fisiologia e, sem questionamentos, porque quando questionados eles respondem de forma consistente: "Isso aqui é treinamento funcional". 

TF virou uma resposta padrão. Tudo é permitido quando o treinamento é funcional. Será que o seu corpo sabe diferenciar o treinamento funcional do convencional? Será que isso de fato é um treinamento funcional? O meu tirocínio diz que não. O que vejo nas academias são estímulos inespecíficos, treinamento antagônico, eu que vejo é treinamento anti-funcional, ou seja, treinamento que não atende a função/objetivo. 

Por quê? Porque eu vejo pessoas treinando para ganho de massa magra sob superfícies instáveis (onde, diversos trabalhos mostram que treinamento sob qualquer superfície instável é menos eficaz para o ganho de massa magra, quando comparado à exercícios realizados sob superfícies estáveis), porque eu vejo pessoas obesas correndo na esteira rolante sobrecarregando de forma brutal as articulações do quadril, joelho e tornozelo, porque eu vejo pessoas pedalando na bicicleta ergométrica e fazendo desenvolvimento com halteres simultaneamente. É neste "universo paralelo" que surgem os exercícios arriscados, as sessões mirabolantes e os programas ineficientes, resultado? Perda de tempo despendido, dinheiro investido e risco aumentado de lesões.
  • Caminhar de costas com caneleiras na esteira? "É funcional!" 
  • Pedalar ao mesmo tempo que se faz elevação lateral? "É funcional!"
  • Ah, fazer agachamentos com barra em cima de uma bola suíça é funcional? Mas serve pra quê mesmo?
Quais funções estas atividades irão atender? Estes exercícios estão atendendo as suas necessidades? Estão na direção dos teus objetivos? São os mais indicados pra você diante do seu estado de treinamento? Os benefícios superam os riscos? Entenda, não estou dizendo aqui, que TREINAMENTO NÃO-CONVENCIONAL (chamado por alguns de Treinamento Funcional) não serve pra nada nem ninguém, o que estou questionando aqui, é se estes treinadores estão avaliando a necessidade, segurança e eficácia dos exercícios, antes de montar um programa. Poucos frequentadores de academias são atletas, na verdade este percentual não chega a 5%.

Uma sessão de treinamento competente leva em consideração todas estas perguntas, avaliar para conhecer o estado de cada qualidade física e treina-lás de modo organizado, respeitando as limitações individuais, pensando a curto, médio e longo prazo, isso sim é funcional, atende à função! 


Treinamento tem que fazer sentido, os exercícios que você faz devem ser justificados, devem estar em seu programa por algum motivo sensato e coerente, se for diferente, se for para selecionar exercícios aleatoriamente você pode fazer isso sozinho. Procure por sessões de treinamento personalizada, crie o hábito de perguntar ao seu treinador o por que de tal exercício e qual benefício o mesmo trará pra você e para o seu treinamento. E assim, usufrua de fato de sessões funcionais de treinamento!

Um comentário: